quarta-feira, junho 01, 2005

Os meus Açores...

Pronto, cheguei à conclusão de que não fui feito para grandes cidades. Não são para a minha construção.
Podia contar a história toda, mas não o vou fazer. Basta-me dizer que tinha que estar às 18:30 na faculdade de economia, e a caminho de lá, fui orientado por pessoas que sabiam menos do que eu.
Resultado, fui à faculdade de ciências sociais, passei pelo jardim da Gulbenkian, passei perto do “Amoreiras”, voltei para trás, pelo mesmo caminho que tinha feito para voltar ao “El corte inglês” e ir à sinagoga, descobri, entretanto, que era lá perto.
Queria reafirmar que, pedi orientação aos transeuntes e todos me davam a sua opinião. O meu problema, é ser demasiado crédulo.
Ia para um ensaio, consegui chegar a horas. Estava encharcado em suor (hoje estava mesmo muito calor), cansado, mas já estava a caminho com o meu amigo, que por essa altura, já tinha chegado.
Foi um serão bem passado, a recordar hinos, com o Pianista, o Rais, a Voz, e mais dois amigos meus, o Cado e o Almi. Louvámos, e até havia uma criança no nosso meio para garantir a veracidade do nosso louvor.
No fim, valeu a pena a busca. Tudo o que custa, sabe melhor…
Tocamos este domingo de manhã na Igreja de Rio de Mouro.

3 comentários:

Jaime Fernandes disse...

Ismael
Eu sempre ensino os meus filhos que quando estão na rua perdidos, desorientados, sem bússola... (tudo aquilo, pelo que eu tenho lido no teu blog e já deu para perceber, tu sabes bem o que é), a primeira coisa a fazer é procurar um polícia que ele é amigo e ajuda.
Não sei se com isto ajudo a que não passes por OUTRA experiência destas (?)

JOINCANTO disse...

Cá pra mim, esta é a tua segunda tentativa de ficcionar.... lol

Ismael disse...

Procurei um polícia, mas ele disse que era o primeiro dia dele ali. Ele também não sabia de nada...